domingo, 24 de junho de 2018
86 9 9455-5513
Geral

05/06/2018 ás 16h39

106

Redação

Hugo Napoleão / PI

Lula e Pelé serão ouvidos hoje na Lava Jato
Os dois serão testemunhas de defesa em processo da Lava Jato sobre a Rio 2016, na “Operação Unfair Play” que apura compra de votos para sediar os Jogos Olímpicos
Lula e Pelé serão ouvidos hoje na Lava Jato
(Foto: Divulgação) Metro1

O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) será ouvido hoje, terça-feira, dia 5,  como testemunha de defesa do ex-governador do Rio Sérgio Cabral (MDB-RJ). Na mesma condição, Pelé também prestará depoimento a pedido de Carlos Arthur Nuzman. Cabral e Nuzman são réus na Operação Unfair Play, desdobramento da Lava Jato no Rio.


Se de fato ocorre, essa será a primeira declaração de Lula desde o dia 7 de abril, quando se entregou em São Paulo e foi conduzido para Curitiba, no Paraná. Lá, o ex-presidente permanece preso numa sala especial dentro do prédio da Polícia Federal. A audiência com Lula será conduzida pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, por vídeoconferência.


A operação sobre a qual Lula e Pelé vão depor investiga a suposta compra de votos para a cidade sediar os Jogos Olímpicos. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o esquema de corrupção montado pelo ex-governador Sérgio Cabral teria "comprado" votos de dirigentes do Comitê Olímpico Internacional - COI.


Ainda segundo as investigações do MPF, foram encontrados indícios de que Nuzman teve participação na negociação. O ex-dirigente chegou a ser preso, mas foi solto após decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ).


Os procuradores afirmam que um dos votos comprados foi o de Lamine Diack, então presidente da Federação Internacional de Atletismo e, naquele momento, membro do COI. O dinheiro teria sido entregue ao filho dele, Papa Massata Diack. Lamine Diack, segundo o MPF, pode ter repassado parte dos valores para comprar mais votos.


Rio 2016


O pagamento aos membros do COI teria sido feito pelo empresário Arthur Soares, também conhecido como Rei Arthur, que está foragido. Soares tinha negócios de R$ 3 bilhões com o Estado do Rio e era próximo ao ex-governador.


Já Cabral teria se beneficiado de contratos firmados para as obras olímpicas. O MPF sustenta que o ex-governador pedia 5% de propina sobre o valor de todas as obras.


Cabral nega as acusações e afirma que jamais recebeu propina. Sobre a suposta compra de votos, o ex-governador considera um "acinte" da vitória "consagradora" do Rio.


"O RJ foi eleito com uma diferença de 40 votos com relação à 2ª candidata, Madri. Pela versão do MPF seriam todos corruptos. Não tenho dúvidas de que em pouco tempo conseguiremos desmontar essa invencionice", disse à época.


Farra dos Guardanapos


Era setembro de 2009 quando um jantar com autoridades públicas do Rio de Janeiro foram fotografadas com guardanapos na cabeça. O episódio acabou ficando conhecido como "a farra dos guardanapos". Na ocasião, Cabral foi receber um prêmio em Paris, na França, poucos dias antes da escolha do Rio como sede olímpica de 2016.


Agora, nove anos depois, o MPF desconfia que naquela época os votos dos membros do COI já estavam comprados e a "farra dos guardanapos" foi uma "celebração" antecipada da vitória da Rio 2016.


"O que nós temos de informação é que Lamine Diack [um dos jurados da eleição que definiu o Rio como sede dos Jogos] era um frequentador assíduo de Paris e pode ter havido uma comemoração antecipada daqueles que mais lucraram com a Olimpíada no Brasil", ressaltou a procuradora Fabiana Schneider.


Fonte:Globo.com

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Canal Piauí

Canal Piauí

Blog/coluna Notícias do Piauí
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium