Sexta, 14 de dezembro de 2018
86 9 9455-5513
Economia

06/12/2018 ás 09h42

Marcos Genilson

Hugo Napoleão / PI

Piauí tem 45% da população em situação de pobreza, revela IBGE
O estudo utilizou critérios do Banco Mundial, que considera pobres aqueles com rendimentos diários abaixo de US$ 5,5 ou R$ 406 mensais pela paridade de poder de compra.
Piauí tem 45% da população em situação de pobreza, revela IBGE

O número de pessoas vivendo em situação de pobreza no Piauí cresceu entre os anos de 2016 e 2017. De acordo com a Síntese de Indicadores Sociais, divulgada nesta quarta-feira (5) pelo IBGE, há 2 anos o Estado tinha 45,1% de sua população vivendo nessa situação. Em 2017, o indíce subiu para 45,3%, o que equivale a 8.234 pessoas a mais.

Em termos absolutos, em 2016 o Piauí tinha 1.448.161 de piauienses em situação de pobreza, já em 2017 eram 1.456.395. O IBGE estimou a população geral do estado em 3.211 milhões no ano passado.

Usando os dados de 2017 e comparando todos os estados, a maior proporção de pobres estava no Maranhão, com mais da metade da população, 54,1%, e em Alagoas, 48,9%, seguido de Acre (47,7%), Amazonas (47,9%), Amapá (45,9%) e Piauí com 45,3%.

O estudo utilizou critérios do Banco Mundial, que considera pobres aqueles com rendimentos diários abaixo de US$ 5,5 ou R$ 406 mensais pela paridade de poder de compra.

País

O país tinha 54,8 milhões de pessoas que viviam com menos de R$ 406 por mês em 2017, dois milhões a mais que em 2016. Isso significa que a proporção da população em situação de pobreza subiu de 25,7% para 26,5%, de acordo com a Síntese de Indicadores Sociais. O Nordeste concentrou o maior percentual daqueles em situação de pobreza, 44,8%, o equivalente a 25,5 milhões de pessoas.

Para erradicar a pobreza, o estudo apontou que seria necessário investir R$ 10,2 bilhões por mês na economia, ou garantir R$ 187 por mês a mais, em média, na renda de cada pessoa nessa situação. A análise demonstra que não só a incidência da pobreza aumentou, mas também a intensidade, já que em 2016 esse valor era de R$ 183 a mais.

O analista da Síntese de Indicadores Sociais do IBGE, Leonardo Athias, indica que, além de políticas públicas do governo, a melhora nas condições do mercado de trabalho é um dos caminhos que podem contribuir para a redução da pobreza: “ter oportunidades, reduzir a desocupação e aumentar a formalização têm obviamente uma série de efeitos que permitem as pessoas saírem dessa situação”.



FONTE: Com informações do IBGE e DN

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium